terça-feira, 5 de julho de 2011

INSONE PAVOR

Após deitar na cama e na iminência
da vigília transformar-se em sono,
as duas pernas brutalmente
contraídas e descontraídas em
meio segundo ou menos. O
abrupto escorregão que apesar
de fatal não derruba o corpo – o
corpo já caído sobre os negros
lençóis da madrugada. O coração
disparado depois do susto. Medo
absurdo. Pavor em estado bruto,
quase morte. Medo de dormir o
sono, penetrar lúcido no sonho e
descobrir que enquanto dorme,
sete cavalos de olhos vazados
invadem o quarto e montam guarda,
fazem austera sentinela junto à
cama. Se acorda, capaz a morte
ante o tropel do potros assustados
abandonando o quarto, rompendo
a membrana que não sabe se do real
ou do irreal. Se dorme, provável
morrer atropelado pelos cascos
dos flamejantes quadrúpedes que
fugiram do quarto e penetraram no
sono, no sonho, na consciência do
homem tenso sobre a cama.

Dormir acordado apavora homens
e cavalos.

5 comentários:

Renan disse...

Isso não seria o medo do apocalipse?
Os pecados atormentando a mente do sujeito, cristalizados na memória.
Nenhum cristão consegue dormir tranquilamente hoje em dia.

Luís Diniz disse...

Pode ser. É. Não é. Sei lá. Pra mim, dormir é como morrer. Talvez Borges explique melhor.

antonio disse...

é só uma questão de facilitar o sono e antecipar o sonho.

Luís Diniz disse...

"Abençoa, Senhor, as famílias, amém/Abençoa, Senhor, a minha também."

Renan disse...

Ave Lúcifer!!