quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

FRUTARIA S/A

Cubinhos de manga mais verde que de vez com açúcar dentro do armário da cozinha esperando a hora agá chegar.

A boca progressivamente cheia d'água antes do jambo retornar dos dentes mordido.

Piscina é escavar o vermelho da melancia até chegar no branco alagado da casca.

A laranja geladinha da banca do homem da Getúlio Vargas partida ao meio por uma faquinha de serra samurai cai muito bem com limão e sal.

Jaca: nada mais excitante do que destrinchá-la e comê-la. Jaca: necessário um pouco de gasolina para deslambuzar-se depois.

Cajá só presta se deixar os dentes dormentes.

A culpa não é nossa nem da lagarta se a comemos sem saber dentro da dulcíssima goiaba.

É verdade que se preservadas as sementes no suco de maracujá brotarão maracujazeiros no estômago da infância?

As avós dizem que sim.

E tem criança que abocanha a parte podre da banana.

4 comentários:

Natal Marques disse...

Tem prazeres que passam e a gente não vê!

Semi-industrial: Um copo de caldo de cana no calor das 14h.

Hasta!

Janderson Andrade disse...

Cresci ouvindo dos mais velhos que se comesse frutas com as sementes,nasceriam arvores dentro do estomago.
Num é que eles me enganaram!rsrs
Nada como degustar as delicias desse Brasil tão tropical.

Fontes disse...

Eu comia manga de vez com Arisco. E folhas de pé de jambo também.
Limãozinho só é bom quando sangra a boca da gente.

Luís Diniz disse...

Folha de jambo não, Fontes, mas folhas duma arvorizinha que parecia mandioca e maconha (mas não era, apesar da similaridade "folhal"), eu comia bastante. Era bem azedinho. De vez em quando minha mãe até me dava uma taca porque me pegava mastigando folha perto da hora do almoço.